O MORDOMO CRISTÃO

A vida, a saúde, a capacidade, os dons naturais e espirituais, o tempo, os bens, o dinheiro, as oportunidades do ser humano são dádivas divinas. Administrar isso com sabedoria é considerar-se um mordomo de Deus. Tudo é para seu próprio bem, para o bem do próximo e para a glória de Deus.

O que é ser um mordomo? É aquela pessoa que cuida de bens alheios. José do Egito era mordomo na casa de um oficial do rei chamado Potifar. O texto diz que todos os bens estavam na mão de José e Potifar nem sabia tudo que possuía. Sua administração foi tão eficaz que Deus concedeu prosperidade ao egípcio por causa de José. (Gen. 39.1-6).

O verdadeiro cristão é mordomo de Deus. Ele tem a consciência de que não é dono de nada I Tim. 6.5-8; a Terra e tudo que nela existe é do Senhor (Sal. 24.1); tudo que a terra produz (Jer.5.24); os minerais (Ag.2.8); toda a vida animal (Sal. 50.10,11). De forma especial, o cristão é propriedade peculiar de Deus, por direito de criação, de preservação e de redenção (At. 14.15-17; 17.25-27; I Cor. 6.19-20; I Ped. 1.18-19; 2.9; Ex. 19.5-6; Ap. 5.9-10).

E o que Deus requer de Seus mordomos? Apenas Fidelidade (Luc. 12.42-48; Ap.2.10; Ec. 5.4-7; Mal. 3.8-10). A ideia de mordomia vai muito além da contribuição financeira ou da entrega dos dízimos, é submissão e fidelidade ao soberano Senhor. Ele determina e nós obedecemos.

A entrega dos dízimos e ofertas faz parte de nossa gratidão a Deus, pois ele nos criou, Ele nos sustenta e nos salva.

A contribuição é também um ato de amor a Deus e as almas perdidas. Com esses recursos, novos campos são abertos, pessoas são salvas e glórias são dadas ao nome do nosso Deus (II Cor. 9.11-14).

Devolver o dízimo ao Senhor implica fé e desprendimento. É crer que Deus suprirá todas nossas necessidades com 90% de “nossas” rendas.

O mordomo fiel tem uma recompensa na saúde, no trabalho, na vida financeira, familiar e espiritual. É a promessa de Deus em Malaquias 3.10: “Abrirei as janelas dos céus… para que delas vos advenha maior abastança.”

Rev. Iziquiel Mathias da rocha

Deixe uma resposta